Michael Roberts à esquerda e Georgena Roberts à direita Foto: Arquivo da polícia do condado de Jerseyville

Aproximadamente às seis horas da tarde de sexta-feira (8), a polícia de Jerseyville foi enviada ao Hospital da Comunidade da cidade para averiguar a morte de um menino de 6 anos. 

Segundo a polícia, a criança, moradora do estado de Illinos, nos Estados Unidos, começou a ficar doente após seu pai e sua madrasta passarem dois anos racionando comida a ela como forma de punição. 

De acordo com documentos judiciais, o menino, impedido por Michael Roberts e Georgena Roberts de comer regularmente desde dezembro de 2015, morreu na última sexta-feira pesando cerca de 8 quilos. Uma autópsia preliminar indicou que a causa da morte foi “desnutrição extrema”, disse a polícia. 

O casal, ambos de 42 anos, é acusado de homicídio em primeiro grau, bem como colocar em risco a vida de uma criança. Um juiz do condado de Jersey ordenou, nesta segunda-feira (6), que o casal ficasse sob custódia com uma fiança de US$ 500 mil, para cada um. Se forem condenados, podem pegar pena de 60 anos e terão que pagar até US$ 25 mil em indenização, segundo informações do tribunal. 

Michael e Georgena Roberts também são acusados por negligência a risco infantil em relação à outra criança malnutrida, de 7 anos. Além do filho de 6 anos que morreu, o casal teve outras cinco outras que moravam com eles em sua casa de Jerseyville, no sul de Illinois, cerca de 80 quilômetros ao norte de Saint Louis. De acordo com a polícia, as cinco crianças foram recolhidas pelo Departamento de Crianças e Serviços Familiares de Illinois. As condições das crianças sobreviventes, no entanto, não são claras. 

Autoridades já tinham investigado o casal anteriormente, segundo um documento do Departamento de Crianças e Serviços Familiares obtido pelo jornal Belleville News-Democrat. Uma denúncia, em janeiro de 2016, notificou as autoridades sobre a irregularidade de alimentação na casa de Roberts. A polícia abriu uma investigação e depois a fechou após um especialista em pediatria dizer que o peso do garoto que morreu foi resultado de uma condição médica. 

O garoto foi levado ao hospital pelo seu pai, segundo a Associated Press. 

A queixa criminal alega que os pais “tinham conhecimento e intencionalmente levaram o menino de seis anos à extrema desnutrição e à morte. Os pais, além disso, “conscientemente retiraram comida e alimentação de forma regular e consistente como forma de punição, de modo que a criança entrou em um estado de desnutrição grave”. 

Segundo a investigação, as ações dos pais durante os últimos dois anos fizeram com o que o garoto pesasse cerca de um terço do peso normal para uma criança da sua idade.

Fonte: Gazeta do Povo

Compartilhe: