x-jogador da Ferroviária é condenado a 18 anos de prisão por esfaquear a mulher em Araraquara (Foto: Amanda Rocha/ A Cidade ON/Araraquara)

A Justiça de Araraquara (SP) condenou, na quinta-feira (16), o ex-jogador da Ferroviária Sidnei Alástico a 18 anos de prisão em regime fechado por tentar matar a ex-mulher enquanto ela dormia. O caso aconteceu em julho do ano passado e foi motivado devido a uma suposta traição. O G1 não conseguiu localizar a defesa do réu para comentar a decisão, que é em primeira instância e cabe recurso.

Após mais de um ano do crime, o ex-jogador negou as informações do primeiro depoimento, quando disse não estar arrependido. Alástico foi condenado por tentativa de homicídio com agravantes, crime cometido por motivo fútil, recurso que dificultou a defesa da vítima e violência doméstica.

Ele já cumpria pena no Centro de Ressocialização (CR) masculino de Araraquara. Ainda não se sabe se ele continua na unidade ou se irá ser transferido.

Investigação

O inquérito de investigação da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) revelou que o crime foi premeditado. Ao contrário dos casos registrados na unidade, a polícia informou que Néa de Lima Sartori nunca havia dado queixa do ex-companheiro.

O crime

O ex-jogador, que trabalhava como pintor, mantinha um relacionamento com a secretária há 11 anos. Ele, inclusive, ajudou a criar as duas filhas do primeiro casamento da mulher. Todos moravam em uma casa na Avenida Madre Assunta Perone, no Jardim Santa Clara. Imóvel comprado pelo casal.

No dia 15 de julho de 2016, por volta das 4h30, Alástico foi até a cozinha e pegou uma faca. Em seguida, sem qualquer briga ou chance de reação, ele deu uma facada no peito da mulher que estava dormindo em um dos quartos da casa.

As filhas da secretária acordaram, pediram para ele abrir a porta e, do lado de fora, ouviam o padrasto questionar a mãe sobre uma suposta traição. Pouco depois, Alástico saiu do quarto caminhando e guardou a faca usada no crime em uma das gavetas da cozinha.

Por conta própria, as garotas socorreram a mãe ao Hospital São Paulo e tiveram a ajuda do ex-jogador para colocar a mulher no carro. A Polícia Militar foi acionada e prendeu Alástico em casa.

Néa ficou internada, teve alta, mas dias depois teve uma complicação devido ao ferimento e voltou ao hospital, o que, segundo a Promotoria, causou o risco de morte.

Carreira

Alástico nasceu em Araraquara no dia 22 de agosto de 1962. Ele começou a carreira no time local do Fluminense e passou pelo Corinthians, também da cidade. O ex-jogador ingressou nas categorias de base da Ferroviária e, em 1980, se profissionalizou no time de Araraquara como volante.

Em 1982, Alástico disputou a primeira divisão do Campeonato Paulista e a Taça Brasil e acabou chamando a atenção de grandes clubes. Em 1983, ele sofreu uma lesão quando disputava a Taça de Ouro. Dois anos mais tarde fez parte da equipe que chegou as semifinais do Paulistão.

Em 1987, o ex-atleta jogou o Paulista pela Ferroviária durante a partida recebeu um carrinho do ala-direito China, que quebrou sua perna. Alástico ainda voltou a atuar pelo time de Araraquara e depois passou pelo Inter de Bebedouro e Palmeiras, até encerrar a carreira prematuramente aos 28 anos. Atualmente ele trabalha como pintor.

Fonte: G1

Compartilhe: