O coronel Ênio Soares dos Santos, que trabalha há 35 anos na Polícia Militar, e há 8 meses comandava a Corregedoria-Geral do Paraná, passou, na manhã desta sexta-feira (10/05), o comando da Instituição ao tenente-coronel William Kuczynski, durante um evento no salão nobre do Quartel do Comando Geral, em Curitiba.

“A mudança da chefia da Coger é essencial, primeiro porque o coronel Ênio cumpre o seu prazo regimental, depois de 35 anos de serviços prestados à PM, com muita qualidade. Assume, agora, o tenente-coronel William Kuczynski, com uma nova visão, e com a necessidade e o compromisso de manter a Polícia Militar num patamar de excelência”, afirmou o Chefe do Estado Maior da Corporação, Coronel Lanes Randal Prates Marques, durante a solenidade.

E o novo Corregedor-Geral, o tenente coronel William Kuczynski, sabe do tamanho da responsabilidade que tem em mãos ao assumir o cargo. “O desafio é muito grande, mesmo porque já tivemos muito corregedores ótimos, como o próprio coronel Ênio, e precisamos lutar para manter esse bom padrão”, afirmou.

Mas esse não é o primeiro desafio a ser encarado pelo tenente-coronel, que está há 30 anos na Corporação. Sua última função, e tão importante quanto a nova, foi a de chefe do Estado Maior do 1º Comando Regional de Polícia Militar (1º CRPM). Por isso, ele acredita estar pronto para assumir o novo cargo, e conta com a tecnologia já implementada na Instituição para dar prosseguimento aos trabalhos. “Sei que a responsabilidade é grande, mas, com tecnologia de ponta que temos, vamos procurar assessorar da melhor forma tanto os oficiais quanto praças do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar”, completa.

O coronel Ênio Soares dos Santos se despediu da PM ao longo do evento. A partir de agora, seguirá para a reserva remunerada, depois de mais de 35 anos prestados à Corporação. “Foi uma satisfação comandar a Corregedoria-Geral. Eu até relato que esses oito meses em que estive na função era algo que eu não esperava, mas acabei surpreendido por poder contar com a confiança do governo e dos comandantes”, conta o coronel. “Saio muito honrado porque lutei por isso ao longo dos meus 35 anos de profissão, e consegui o que eu esperava, com a consciência do dever cumprido, de que eu não fiz tudo, mas fiz tudo o que eu podia. Deixo, honestamente, um pouco de contribuição para o legado da Instituição, para o futuro do Paraná e das próximas gerações.”, completou.

HISTÓRIA – A Corregedoria-Geral da PM foi criada por meio do decreto estadual n.º 9.040/2010, de 15 de dezembro de 2010, e seu primeiro Comandante foi o coronel Carlos Alexandre Scheremeta. A unidade é originária da antiga Seção de Justiça e Disciplina, que a época era subordinada à Diretoria de Pessoal. Com atuação por todo o Paraná, a COGER é sediada em Curitiba, e possui outras três Subcorregedorias nas cidades de Londrina, Maringá e Cascavel.

A Corregedoria é pautada pela observância dos princípios de hierarquia e disciplina, atuando como órgão de assessoramento direto ao Comando-Geral da PM na apuração de denúncias e de infrações cometidas por militares estaduais. O trabalho envolve ainda a padronização de procedimentos de Polícia Judiciária Militar e de processos e procedimentos administrativos, para promover as correições necessárias quando há necessidade.

PRESENÇAS- O Chefe do Estado Maior, coronel Lanes Randal Prates Marques; o comandante da APMG, coronel Ronaldo de Abreu; o Comandante do 16º BPM de Guarapuava, coronel Adilson Luiz Carlos Prusse; o Diretor de Apoio Logístico da PMPR, coronel Carlos Eduardo Rodrigues Assunção; o comandante do BPAmb-FV, coronel Adilson Luiz Correa dos Santos; O Comandante do 22º BPM, tenente-coronel Sergio Ramos; o Juiz de Vara do Auditório de Justiça Militar Estadual do Paraná, Sergio Bernandinetti; o coronel Genaro Costa Keske, do 2º CRBM e o procurador de justiça Vani Antônio Bueno.

Por Marcia Santos
Jornalista

Fonte: PMPR

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo impróprio ou ilegal, denuncie.