Desde maio, quase R$ 2 bilhões em cigarros contrabandeados deixaram de entrar em território brasileiro. A estimativa é da Secretaria de Operações Integradas (Seopi), subordinada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), que coordena duas operações permanentes nas fronteiras do Paraná e Mato Grosso.

O combate aos crimes de fronteira, como contrabando e tráfico de drogas, também já evitou um prejuízo aos cofres públicos de quase R$ 50 milhões e fez com que as organizações criminosas deixassem de lucrar quase R$ 35 milhões – apenas com a venda de cigarros contrabandeados e maconha – em apenas dois meses de atuação.

As operações permanentes nas fronteiras fazem parte de uma estratégia de combate ao contrabando e pirataria. Com isso, o MJSP espera atuar no tripé de prioridades de combate ao crime organizado, crimes violentos e corrupção, definidos como principais pautas da pasta pelo ministro Sergio Moro.

Os três pontos de atuação

 

Por enquanto, são três pontos de atuação. A primeira operação, a Hórus, começou em maio na região de Guaíra (PR), no Rio Paraná. Até a última terça-feira (23) já haviam sido realizadas apreensões de 50 veículos, 27 embarcações, 22 motores de embarcações, 13 mil caixas de cigarro (mais de 6 milhões de maços) e 2.554 quilos de maconha. Também foram efetuadas 22 prisões.

A operação em Guaíra evitou, sozinha, um prejuízo de R$ 45,8 milhões aos cofres públicos, apenas com a venda de cigarros apreendidos. Já o crime organizado saiu com um prejuízo de R$ 32,7 milhões por causa da apreensão de cigarros e mais R$ 1,2 milhão com a apreensão de maconha.

Fonte: http://gazetadopovo.com.br

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo impróprio ou ilegal, denuncie.