A Polícia Civil do Paraná (PCPR) prendeu temporariamente 11 pessoas, com idades entre 25 e 70 anos, suspeitas de fraudar processos licitatórios e causar prejuízo aos cofres públicos do Paraná. Estima-se que o grupo criminoso tenha adquirido cerca de R$ 210 mil de forma indevida. A ação aconteceu na manhã desta quarta-feira (16), em diversas cidades das regiões Oeste, Sudoeste e Central do Estado. As investigações contaram com o apoio da Receita Federal e Ministério Público do Paraná.

Durante a operação a PCPR apreendeu R$ 121 mil em dinheiro, computadores, celulares e documentos. Ao todo, 26 mandados de busca e apreensão foram cumpridos nas cidades de Missal, Catanduvas, Cascavel, Terra Roxa, Guaíra e Diamante do Sul, no Oeste do Paraná, em Pérola D’Oeste, na região Sudoeste e no município de Roncador, no Centro do Estado.
De acordo com as investigações, os investigados criavam empresas de fachada, em nome de “laranjas”, com o objetivo de promover um falso rodízio entre as empresas participantes de licitações. Entretanto, tratava-se da mesma empresa fornecendo – há anos – peças a determinados municípios e perpetuando suas práticas criminosas, causando prejuízo a sociedade e enriquecimento ilícito aos suspeitos.
As diligências policiais tiveram início no mês de março, com o objetivo de apurar possíveis irregularidades na aquisição de peças de reposição de “máquinas pesadas” que compõem a frota de veículos da Prefeitura de Missal.

Em investigações preliminares, ficou constatado que haviam sido recebidas peças remanufaturadas como novas, superfaturamento de preços e pagamento de peças que não eram entregues ou utilizadas.

Todos os suspeitos vão responder por associação criminosa, fraude ao processo licitatório, corrupção ativa, corrupção passiva, falsidade ideológica e por fraudar em prejuízo da fazenda licitação.

Além disso dois dos investigados, entre eles o secretário municipal de Missal, responderão por posse ilegal de arma e munição paraguaia.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo impróprio ou ilegal, denuncie.