O médico Jamal Munir Bark, 59 anos, que atende na Unidade de Pronto Atendimento  (UPA) do Boqueirão, em Curitiba, e em Rio Branco do Sul, na Região Metropolitana, está internado no Hospital Marcelino Champagnat em estado gravíssimo, após contrair o novo coronavírus (Covid-19).  A Prefeitura de Curitiba atualizou os casos de Covid-19 no fim da tarde desta sexta (20): são 10 novos casos totalizando 27, três deles internados em UTI, e  332 casos suspeitos.

Segundo Boletim do Hospital Marcelino Champagnat, o médico foi internado ontem (19) com quadro de insuficiência respiratória aguda. Ele foi isolado em uma UTI (Unidade de Terapia Intensiva) com suporte ventilatório. “Ele está internado desde ontem na UTI, mas a provável fonte de infecção foi uma colega de trabalho no início de março. Esse outro profissional retornou de São Paulo e apresentou sintomas leves”, explicou a secretária da Saúde de Curitiba Márcia Huçulak. O detalhe é que ,apesar de Jamal Munir Bark não ter viajado recentemente, a Prefeitura de Curitiba  não reconhece o caso dele como transmissão comunitária, porque, segundo a secretária, transmissão comunitária é só quando não se sabe qual foi o vínculo do contágio. Neste caso, o contato foi de alguém que viajou.

Entre os pacientes graves está uma mulher de 58 anos, do grupo de risco para complicações que teve contato com um parente próximo que retornou da Itália ainda em fevereiro, com sintomas respiratórios. Apesar da gravidade do quadro, a paciente já apresentou melhora nas últimas 24 horas, continua sob cuidados hospitalares, mas fora da UTI.

Na linha de frente de combate ao coronavírus, profissionais da saúde de Curitiba reclamam da falta de insumos

Em live no Facebook, a superintendente executiva da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Beatriz Nadas garantiu que a UPA Boqueirão passou por uma desinfecção nesta tarde (20). “Sabemos que o vírus não fica no ar, portanto, com a desinfecção, a população pode ficar segura quando a unidade reabrir”, afirmou.  De acordo com ela, todos os funcionários e pacientes que tiveram contato com o médico estão de quarentena de sete dias e estão sendo monitorados pelos órgãos de saúde.

O mesmo procedimento acontece em Rio Branco do Sul, onde  Jamal Munir Bark fez atendimentos na Unidade de Saúde Central na última terça (18), um dia antes de ser internado com suspeita de Covid-19.

“Todos nós somos responsáveis pelo o que vai acontecer com o coronavírus em Curitiba”

“Estamos nos preparando para essa situação grave que virá. Todos nós somos responsáveis pelo que vai acontecer em Curitiba. Pedimos que todos, fazendo parte ou não do grupo de risco, respeitem a situação mundial que vivemos. É muito grave e preocupante”, disse a  superintendente Beatriz Nadas. “Nenhum paciente morreu”.

Ela reforçou ainda  que quem teve contato com caso suspeito ou chegou de viagem tem que ficar sete dias em isolamento e se neste período tiver algum sintoma tem que ficar em isolamento mais 14 dias a partir da data.

No Estado

O Paraná tem 36 casos confirmados do novo coronavírus, de acordo com o novo boletim da Secretaria de Estado da Saúde. O balanço, divulgado na tarde desta sexta-feira (20), ainda mostra que 202 casos estão em investigação enquanto 137 já foram descartados. Ou seja, o estado já registrou 375 notificações do Covid-19. De acordo com a Sesa, cinco pacientes estão em isolamento hospitalar e os demais (31) seguem em isolamento domiciliar.

Em relação ao boletim de ontem (19), são 13 novos casos. 10 deles são em Curitiba, dois em Londrina, no norte do Paraná, e um em Guaíra, no oeste do estado. A secretaria estadual ainda informou que são oito mulheres e cinco homens, com idades entre 25 e 59 anos. Nove deles foram testados por laboratórios particulares e quatro pelo Lacen (Laboratório Central do Estado).

Casos confirmados no Paraná por cidade:

Curitiba: 27
Londrina: 3
Cianorte: 2
Foz do Iguaçu: 1
Campo Largo: 1
Maringá: 1
Guaíra: 1

Fonte: Bem Paraná

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo impróprio ou ilegal, denuncie.