Justiça do Rio recebeu recurso da defesa do médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (Solidariedade), e da professora Monique Medeiros da Costa e Silva, padrasto e mãe do menino Henry Borel Medeiros, de 4 anos, que morreu na madrugada do dia 8 de março. Os advogados do casal solicitam a anulação de possíveis provas do caso. De acordo com o pedido, protocolado nesta terça-feira (6/4) na 2ª Vara do Tribunal do Júri, a alegação é que aparelhos eletrônicos foram recolhidos irregularmente.

As apreensões ocorreram por agentes da 16ªDP (Barra da Tijuca), que investiga o caso. No recurso, a defesa afirma que os policiais descumpriram procedimentos legais ao realizar as buscas e que levaram os equipamentos eletrônicos de parentes de Dr. Jairinho e Monique, uma vez que os celulares e computadores estavam nos endereços onde moram desde o falecimento da criança, na residências de parentes.

O casal justifica, como informou o RJ1, da TV Globo, que seus parentes não eram citados na ordem judicial de busca e apreensão, e que, por isso, não poderiam ter seus celulares recolhidos.

No documento, a defesa afirma ainda que Dr. Jairinho tem sido perseguido pelo delegado responsável pelo caso, Henrique Damasceno, titular da 16ªDP, e pede a transferência da investigação para a Delegacia de Homicídios da capital.

Fonte: Metrópoles

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo impróprio ou ilegal, denuncie.