sábado, 18 setembro 2021
UMUARAMA/PR

Educação inclusiva e especial em um contexto de pandemia

Educação inclusiva e especial em um contexto de pandemia

Dentre os setores que foram afetados, o golpe dado pelo isolamento e pelo distanciamento social foi acentuadamente severo em áreas como o comércio e a educação.

Atualmente estamos vivendo uma realidade que impôs diversos desafios para inúmeras pessoas da sociedade e também para diversos setores da sociedade.

Dentre os setores que foram afetados, o golpe dado pelo isolamento e pelo distanciamento social foi acentuadamente severo em áreas como o comércio e a educação.

Isso ocorre pois o comércio e a educação são áreas que contam, de maneira significativa, com o contato humano, com a troca de ideias, informações e aprendizado entre diferentes pessoas.

No caso da educação, as aulas passaram a ser ministradas de forma online e remota nos ensinos básico, médio e superior

Enquanto as pesquisas no ensino superior foram, temporariamente, interrompidas. Apenas os campos de pesquisa considerados essenciais puderam ter suas atividades continuadas durante o período de pandemia.

Pensando em como o impacto sofrido pela educação foi duro, hoje iremos ver um ponto crucial dentro da educação que são os desafios sofridos pela educação inclusiva e especial neste período.

Sobretudo, a ideia é analisarmos como podemos extrair possíveis temas de pesquisa e projetos de TCC sobre educação inclusiva e especial dentro do curso de pedagogia, para averiguar de forma clara o impacto que o isolamento possui em alunos especiais.

O isolamento e o uso da tecnologia em aulas remotas

É seguro dizer que se não fosse o uso da tecnologia para o desenvolvimento educacional e científico, teríamos um entrave gigantesco nestes dois campos.

Contudo, é necessário também analisarmos o nível de acessibilidade que as aulas remotas e digitais oferecem para seus alunos portadores de necessidades especiais.

Em outros termos, qual o impacto que a pandemia e a adoção do ensino remoto possui no desenvolvimento de alunos especiais?

De acordo com a plataforma ANPED, diversos especialistas concordam que este cenário foi responsável por aprofundar a exclusão e marginalização social vivida por estes alunos.

Um dos fatores pelos quais isso ocorre é a ausência de tutores que possam auxiliar e monitorar o aprendizado, desenvolvimento e bem-estar de alunos especiais ao longo das aulas. 

Ainda, o papel da família se tornou muito mais evidente durante toda esta situação, já que os pais precisam basicamente substituir o papel realizado pelo tutor ou acompanhante.

O que acontece é que a maior parte das escolas, atualmente, passou a adotar o modelo remoto para continuidade das aulas, visando não interromper suas atividades em decorrência da pandemia.

No contexto atual, a sala de aula é situada dentro do Google Meet, do Zoom ou até do Microsoft Teams, tornando toda a experiência de aprendizado e cidadania um pouco mais impessoal.

Logo, metodologias devem ser pensadas para garantir, ou ao menos tentar garantir, o mesmo nível educacional e afetivo que estes alunos estavam habituados a receber com as aulas presenciais.

Práticas e metodologias adotadas durante a pandemia

Como vimos, o momento atual em que vivemos requer que adaptações e práticas sejam adotadas durante as aulas para garantir a inclusão de alunos portadores de necessidades especiais.

De acordo com uma tese publicada pelo governo estadual do Paraná, existem uma série de atividades e metodologias que podem ser aplicadas nestes casos.

Para alunos portadores de deficiências físicas, podemos elencar:

  1. Proporcionar interação e contato com o ambiente domiciliar
  2. Favorecer a exploração do ambiente domiciliar
  3. Disponibilizar materiais de uso doméstico
  4. Utilizar espaços da residência para a realização de atividades
  5. Atenção se o estudante está posicionado de forma adequada
  6. Estar atento em caso de alterações de tônus muscular ou fala em casos de Paralisia Cerebral

Já para alunos que possuem deficiências no aprendizado, podemos citar as seguintes metodologias:

  1. Realizar pequena modificações no material didático
  2. Diminuir o comprimento dos textos
  3. Utilizar um tipo de letra clara, como Arial
  4. Fornecer glossário dos conteúdos
  5. Elaborar atividades que explorem a consciência fonológica do aluno
  6. Simplificar as instruções escritas

Conclusão

Se a pandemia representa novos desafios para alunos e professores, estes desafios são dobrados quando falamos de funcionários e também alunos portadores de necessidades especiais.

Portanto, é essencial que a atenção para com estes alunos seja redobrada neste período, a fim de detectar dificuldades de aprendizado ou empecilhos que podem representar obstáculos físicos no aprendizado destes alunos, como por exemplo clareza da fonte, tamanho dos textos e nível de interação nas atividades pedagógicas propostas pelo professor.

 

Comente

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo impróprio ou ilegal, denuncie.

Mais lidas

ALERTA

Paraná em alerta amarelo para tempestades; previsão é de muito vento, chuva e granizo

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu alerta amarelo, ou seja perigo pontencial, para tempestades...
PEDOFILIA

Polícia Civil prende pedófilo por abusar sexualmente da filha, enteada e uma vizinha de 9 anos

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) prendeu preventivamente um homem, de 40 anos, por abusar...
Se deu mal

Adolescente que tentou roubar malote de dinheiro é preso pela PM em Umuarama

Um adolescente de 16 anos, envolvido em uma tentativa de roubo de um malote de...
CPI DA COVID-19

Município de Umuarama não doou terreno à Norospar

A Associação Beneficente Noroeste do Paraná – Norospar, emitiu “Nota de esclarecimento ao público”, na...

Notícias Relacionadas