sexta-feira, 20 maio 2022
UMUARAMA/PR

Mulher é inocentada de matar sobrinha após passar 27 anos presa

Mulher é inocentada de matar sobrinha após passar 27 anos presa

"Eu agradeço a todas pessoas pelas orações e por me ajudarem a me tirar dessa bagunça que custou metade da minha vida por nada, mas eu vou superar", disse Joyce Watkins minutos após ter sua inocência declarada

Uma mulher, de 74 anos, foi inocentada das acusações de estupro e assassinato da sobrinha-neta depois de passar 27 anos presa, no estado do Tennessee, nos Estados Unidos.

Em 26 de junho de 1987, Joyce Watkins e o seu namorado à época, Charlie Dunn, foram buscar a sobrinha-neta Brandi, de 4 anos, na casa de um familiar em Kentucky, de acordo com relatório arquivado no Tribunal Criminal do Condado de Davidson obtido pela CNN. Na manhã seguinte, a criança não se sentia bem, e Joyce decidiu levá-la a um hospital na cidade.

Segundo o documento, a menina sofreu traumatismo craniano e lesão vaginal. Brandi morreu no dia seguinte.

Joyce e Charlie ficaram com a criança por um período de nove horas, mas o médico que a examinou, Gretel Harlan, concluiu que as lesões aconteceram nesse período. Um ano depois, em agosto de 1988, o casal foi condenado por assassinato em primeiro grau e estupro agravado.

Eles ficaram presos por 27 anos até receberem liberdade condicional em 2015. Charlie, porém, morreu atrás das grades enquanto aguardava a libertação.

A denúncia foi finalmente arquivada em 10 de novembro de 2021, quando um advogado que entrou no caso pediu a anulação das condenações de Joyce Waktins e Charlie Dunn.

O arquivamento esclareceu que Watkins notou sangue na calcinha de Brandi quando chegaram em casa, apenas uma hora e meia depois que o casal a pegou, com pelo menos uma hora desse tempo dirigindo de volta para Nashville.

Um relatório também foi incluído no arquivo, que disse que a “metodologia do Dr. Harlan para datar a lesão na cabeça com base na falta de resposta histiocítica no tecido cerebral não é um método legítimo para datar traumatismo craniano pediátrico”.

O Tribunal Criminal do Condado de Davidson concordou que não há evidências científicas que comprovem que o crime foi cometido por Joyce e Charlie. No entanto, o responsável pelo assassinato de Brandi ainda não foi encontrado.

“Eu agradeço a todas pessoas pelas orações e por me ajudarem a me tirar dessa bagunça que custou metade da minha vida por nada, mas eu vou superar”, disse Joyce Watkins minutos após ter sua inocência declarada.

Comente

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo impróprio ou ilegal, denuncie.

Mais lidas

MP pede interdição de hospital que apresenta diversas irregularidades em Umuarama

O Ministério Público do Paraná, no Noroeste do estado, requisitou ao secretário municipal de Saúde...
LUTO OFICIAL

Jovem morre de infarto e comove Umuarama

A Câmara Municipal de Umuarama decretou luto oficial de três dias pela morte de Thaiana...

Notícias Relacionadas